Depois de anos sendo um pop culture junkie, finalmente resolvi canalizar minhas energias em algo útil (assim, dependendo da sua perspectiva). Esse blog tem, portanto, o objetivo de documentar quem está causando na cultura pop mas não comentando do óbvio e sim antecipando tendências e o que está por vir. E-mail me @ tacausando@gmail.com. Mais sobre a nossa proposta.

sábado, 14 de abril de 2012

One Direction: boyband 2012-style


Se existia uma tendência que, a nível global, parecia ter ficado no fim dos anos 90 eram boybands. Desde os tempos dos Backstreet Boys e do NSync, nenhum grupo de garotos cantores capturou as paradas mundiais e despertou o caos entre garotas adolescentes mundo afora (os Jonas Brothers TALVEZ mas eles tocavam instrumentos, né?). O sucesso dos britânicos do One Direction, contudo, parece atestar que a moda voltou com bastante força. Porém, é claro, de uma maneira bem 2012.

O One Direction foi formado na nona temporada do The X Factor britânico. Cada um dos cinco meninos -- Harry, o mais popular; Zayn, o misterioso; Nial, o irlandês; Louis, o engraçado e Liam, o sensível -- fizeram audições separadamente e foram juntados como um grupo por Simon Cowell. Os garotos não ganharam o programa (ficaram em terceiro lugar). Mas, vendo tudo que eles alcançaram, não tem como negar que eles foram os vencedores morais.


Lançado em novembro, Up All Night, o primeiro álbum dos meninos, já vendeu 600 mil unidades no Reino Unido. O primeiro single, What Makes You Beautiful, também estreou no topo e ultrapassou 540 mil unidades ao longo do ano passado. E, em março, eles esgotaram -- em minutos -- os 400 mil ingressos da turnê por arenas britânicas que eles irão fazer entre fevereiro e abril do ano que vem (só em Londres foram vendidos 115 mil ingressos para dez apresentações na O2 Arena. Com isso, os meninos empatam com Rihanna como os artistas que mais se apresentaram consecutivamente no local, atrás apenas de Bon Jovi, Prince e das Spice Girls em sua turnê de reunião).

O segredo dos sucessos? Os cinco meninos são charmosos e bem humorados e eles sabem expressar bem esses trajeitos no Twitter (algo muito importante em 2012, né?) e em entrevistas. Eles são bonitos de uma maneira boy next door e são muito estilosos, no estilo "namorado dos sonhos" da típica jovem de hoje em dia.

Enquanto no Reino Unido o sucesso deles foi impulsionado pelo X Factor (que é, afinal de contas, o programa mais visto no país), no resto do mundo eles alcançaram popularidade de uma maneira muito 2012: através das redes sociais.

O Twitter dos meninos ficou cada vez mais popular e, no Tumblr as imagens daqueles garotos bonitos e bem vestidos começou a se popularizar, atraindo a atenção de meninas na América do Sul, do Norte e da Europa afora.

Rapidamente, os One Direction já eram mega estrelas no Brasil, no Mexico, na Itália, na Suécia, na Espanha, na Alemanha, na França, na Austrália...

E, finalmente, nos EUA.

O maior mercado do mundo nunca foi enormemente receptivo a bandas pops britânicas. Desde que os Beatles explodiram nos anos 60, as Spice Girls foram os outros únicos atos jovens pop a alcançar enorme sucesso no país. Nem os irlandeses do Westlife, nem os historicamente bem sucedidos Take That conseguiram penetrar o mercado apesar de centenas de milhões de cópias vendidas no Reino Unido.

Porém, depois de anos de seca, 2012 parecia finalmente ser o ano dos britânicos teenyboppers quando os meninos do The Wanted, outra boyband inglesa, foram impulsionados por uma apresentação no talkshow da Ellen e levaram seu single, Glad You Came, para o top 5 do Billboard.

Porém, o sucesso do The Wanted foi rapidamente ofuscado pelo One Direction. Sem nenhuma promoção e apenas com a força das mídias sociais, os meninos movimentaram mais de 130 mil unidades do primeiro single, What Makes You Beautiful, em apenas uma semana, penetrando o top 10 do iTunes e o top 30 do Billboard Hot 100. Desde então, a música já alcançou o top 5 do iTunes e o nono lugar no Hot 100 (e continua escalando as paradas).

Porém, o mais impressionante ainda estava por vir: o álbum deles, Up All Night, vendeu 175 mil unidades, estreando em primeiro lugar nas paradas americanas. Dessa maneira, eles conseguiram o que nenhum grupo britânico -- nem os Beatles -- conseguiu: estrear no topo com o primeiro álbum.


Desde então, os meninos estão sendo tratados como pop royalty. Suas sessões de autografo atraem milhões de meninas EUA afora (uma apresentação gratuita de 45 minutos -- com entradas limitadas a portadores de wristbands -- atraiu 25 mil fãs em Dallas, no Texas) e a aparição deles no Today Show, para um concerto ao ar livre na Rockfeller Plaza, atraiu multidões na mesma escala que Lady Gaga, Justin Bieber e Chris Brown. Eles também foram as grandes estrelas do Kids' Choice Awards e uma apresentação no Saturday Night Live catapultou What Makes You Beautiful para o topo do iTunes e fez com que o CD tivesse um aumento de 95% em vendas (mais de 500 mil unidades já foram comercializadas nos EUA).

Talvez por serem ingleses, os meninos devem "menos" do que as boybands anteriores. Apesar de serem todos bastante novos, entre 18 e 19 anos, eles bebem e um deles até -- hold the phone -- fuma (Zayn Malick). Dois deles (Harry e Zayn) tiveram relacionamentos com mulheres muito mais velhas. Em suas entrevistas, eles fazem piadas politicamente incorretas e até xingam. Eles não dançam. O fato deles serem europeus, e não americanos, dá a eles a permissão de serem populares entre um público bem jovem e, mesmo assim, não terem a obrigação de serem squeaky clean.

Tudo isso, é claro, só dá força ao fenômeno e faz deles mais approachable e reais para a multidão de garotas que os idolatram. Alias, elas parecem compartilhar do senso de humor britânico dos meninos. Em seus concertos EUA afora, não é incomum ver cartazes como "ONE DIRECTION GIVES ME ERECTION" e "LET ME MALICK YOU, ZAYN MALICK".

Enquanto isso, os meninos continuam imparaveis. O inicio da venda de ingressos da turnê australiana deles colapsou os sites de venda e um esquema de segurança de proporções épicas está sendo montado para controlar as fãs quando eles desembarcarem no país. Na França, um início de pisoteamento enlouqueceu policiais quando 3 mil fãs foram recebe-los na estação de trem durante uma breve parada promocional. Já nos EUA, a primeira turnê deles pelo país encontra-se esgotada. O sucesso foi tamanho que os meninos anunciaram um show extra na arena mais importante do país, o Madison Square Garden em NY. Em cinco minutos, os 16 mil ingressos tinham acabado. Com uma demanda excedendo as mais positivas expectativas, os garotos acabam de anunciar 25 shows adicionais nos EUA para daqui a mais de um ano (de junho a agosto de 2013) com cerca de 300 mil ingressos sendo disponibilizados para os fãs. Em breve, eles devem anunciar uma turnê pelo resto da Europa e, no fim do ano, eles lançam um segundo CD.

É, parece que as boybands voltaram de vez.


quarta-feira, 4 de abril de 2012

Modern Family: a hora da guerra




Nossa, parece que foi uma eternidade que um anúncio de Modern Family roubou o holofote do Oscar (e bom, meio que foi mesmo). Desde então, o programa virou a franquia mais poderosa da TV aberta americana, ultrapassando Two & a Half Man e The Big Bang Theory da CBS para se tornar a comédia mais vista do país. Mais do que isso, Modern Family virou o queridinho de todas as premiações (mais de 15 Emmys até agora) e atraí um número de jovens que não é visto desde os tempos de Friends. Além disso, a comédia não para de crescer, com um aumento de 13% na terceira temporada em relação a anterior.

E, claro, tudo isso significa uma coisa: MONEY. Em 2011, Modern Family lucrou 164 milhões de dólares só com anúncios para a ABC. A rede de TV a cabo USA comprou os direitos de retransmissão do programa por uma license fee que se aproxima a 1.5 milhão de dólares por episódio. E isso sem contar as vendas de DVDs; os milhões com os direitos internacionais e os mais centenas de milhões de dólares adicionais que o programa irá lucrar quando os direitos de syndication (retransmissão) forem negociados com redes de TV aberta no ano que vem.

Agora, a produção da terceira temporada se encerrará e começará o momento que fará a cabeça de executivos e agentes girarem: a renegociação de contratos.

Nos EUA, os atores quase sempre fecham contrato para 7 temporadas logo no momento que o programa é comissioned pela rede de TV (claro que é raríssimo um programa alcançar um run tão longo, só 1 em 20 conseguem, mas esse é o contrato padrão). Porém, depois de três anos de sucesso, os atores tem o direito de renegociar seus salários, incrementando os bônus, aumentos e até estendendo o contrato por mais alguns anos adicionais (quanto mais tempo no ar, mais dinheiro lucrado com a venda de retransmissão e esse é um dos principais meios de lucro das redes de TV americanas).

Porém, é óbvio que as coisas não são fáceis assim: NINGUÉM quer dar o braço torcer, nunca. Como já vimos com as centenas de renegociação de contrato dos dubladores dos Simpsons e com a super hiper mega divulgada renegociação do elenco de Friends no fim dos anos 90 (que acabaram fechando por um salário record breaking de 1 milhão de dólares por episódio + bônus), essas discussões rendem. É um enorme vai e vem entre advogados; agentes; atores; executivos e presidentes de empresa.

Os tempos de 1 milhão de dólares por episódio ficaram para trás. Enquanto no fim dos anos 90, isso era um salário normal para megaestrelas de sitcom, hoje em dia ninguém na televisão recebe metade disso. Porém, analistas estimam que o elenco consiga alcançar a faixa de 150 mil dólares por episódios.

Um exemplo recente foi The Big Bang Theory. A sitcom da CBS também lucra milhões e está bem próxima de Modern Family em valor total de mercado e as três estrelas do programa -- Kaley Cuoco; Jim Parsons e Johnny Galecki -- fecharam por 200 mil dólares por episódio (ou seja, cerca de 4.6 milhões por temporada) além de royalties e um aumento percentual anual. Porém, Big Bang só tem três estrelas e o elenco principal de Modern Family é composto pelo dobro disso (Ed O'Neil; Sofia Vergara; Ty Burrel; Julie Bowen; Jesse Tyler Fergunson; Eric Stonestreet).

No começo do programa, o elenco recebia entre 20 e 60 mil por episódio. Atualmente, todos recebem entre 60 e 100 mil. Espera-se que eles tentem renegociar para, no minimo, o dobro disso e que, seguindo o exemplo de Friends, a negociação seja feita em conjunto, com todos exigindo a mesma quantia.


Mas, deixando os detalhes minuciosos sobre salários de lado, alguém duvida que a breakout star do programa seja Sofia Vergara? A colombiana não é nada boba e tá lucrando milhões e capitalizando no fato dela ser uma das garotas propagandas mais cobiçadas por anunciantes.

No momento, ela estrela nada menos que três campanhas: a da Diet Pepsi; da marca de maquiagem CoverGirl e da loja de departamento KMart, que comercializa uma linha de roupas baseada na atriz. Ela também está na capa da Esquire e da InStyle e será a primeira integrante do elenco de Modern Family a conseguir um super prestigioso slot como apresentadora do Saturday Night Live, algo reservado para A-listers. Além disso tudo, ela ainda tem um papel de destaque no filme Os Três Patetas, dirigido pelos irmãos Farrely e baseado nos curtas cômicos do mesmo nome.


O sucesso de Sofia é de fácil compreensão: um personagem carismático numa comédia extremamente popular; corpo e personalidade extremamente sensuais e conexão tanto com o público feminino (que a acha aproximavel) quanto masculino (que a acha irresistível), além, é claro, com o público latino, uma das fatias mais lucrativas e importantes nos EUA atualmente.

Edit (08/2012): dito e feito. Na última semana de julho, depois de meses de negociação, todo o elenco protagonista do programa boicotou a primeira reunião de elenco da nova temporada e entrou com um processo contra a Warner. Uma semana depois, tudo já tinha se resolvido e os atores fecharam por 180 mil dólares por episódio, com um aumento percentual a cada nova temporada e uma parcela pequena dos lucros totais de syndication do programa. Em troca, eles aceitaram estender o contrato deles por mais uma temporada (ou seja, eles estão comprometidos por 8 temporadas).

Quem sou eu