Depois de anos sendo um pop culture junkie, finalmente resolvi canalizar minhas energias em algo útil (assim, dependendo da sua perspectiva). Esse blog tem, portanto, o objetivo de documentar quem está causando na cultura pop mas não comentando do óbvio e sim antecipando tendências e o que está por vir. E-mail me @ tacausando@gmail.com. Mais sobre a nossa proposta.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Buzzing: Easy A



Existe uma teoria que, a cada década, existe uma comédia adolescente que marca toda uma geração. Nos anos 80, foram os filmes de John Hughes (The Breakfast Club, Ferris Bueller Day Off, Sixteen Candles, Pretty in Pink) e Heathers. Nos anos 90, Clueless (As Patricinhas de Beverly Hills). E nos 2000, Mean Girls.

A nova decada mal começou e já existe um forte concorrente para ocupar essa posição: Easy A.

O filme que estrela Emma Stone está causando ENORME buzz e hype e é uma das grandes apostas para ser o grande sucesso surpresa do ano (ha, é ótimo que existe APOSTA para um sucesso SURPRESA).

Confiram o trailer:



Alias, o teaser também é ótimo:



Easy A estréia nos EUA no dia 17 de setembro. Além de Emma Stone, o filme ainda conta com Pen Badgley (Gossip Girl), Amanda Bynes (What a Girl Wants, She's the Man, Hairspray), Cam Gigandet (Twilight), Stanley Tucci (The Devil Wears Prada) e Lisa Kudrow (Friends).

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Randomlicious



Gente, deixa eu me vangloriar um pouquinho.


Em fevereiro, todo mundo estava apostando que Ke$ha seria a grande revelação do ano. E, nesse post aqui, eu disse que minha aposta era outra: Nicki Minaj.

Fast-forward para seis meses mais tarde e a MTV está começando a promoção dos VMAs, a grande premiação da cultura pop. Investimentos milionários e, principalmente depois da epicness que foi o ultimo ano (Kanye e Taylor, performances boas, Lady Gaga causando, etc), expectátivas lá no alto.

E quem foram os escolhidos para atrair e pump up o público? Justin Bieber (que é, junto com Lady Gaga, inquestionavelmente a maior sensação pop do momento) e... Nicki Minaj.

Ke$ha, é claro, até participara da festança sendo uma das muitas apresentadoras (junto com outras celebridades de grande escalão como Ashley Greene, Penn Badgley, zzzz). Mas Nicki, junto com Gaga (recordes de indicações e que eu aposto que at some point será anunciada como performer) e Bieber, será a grande estrela da noite.

Minaj não só gravou um trailer exclusivo para a premiação (que ainda não foi ao ar), como também está estampando os outdoors que anunciam o eventonas principais metropoles dos EUA.



Nicki em outdoors em Manhattan e Los Angeles

Daí você se pergunta: Nicki é realmente isso tudo? Ela merece todo esse hype e expectativa? Bom, isso é assunto para um outro post. Mas ó, quem lê esse blog já sabia que ela estava a ponto de explodir faz MESES.

Até o momento, não foi anunciado que Minaj irá se apresentar. Mas, depois de usarem a imagem dela tão exaustivamente, será meio decepcionante se ela não for uma das performers. Principalmente levando em conta que o evento será bem perto da data de lançamento do primeiro single oficial dela. Que lugar melhor para fazer sua primeira performance solo ao vivo do que no palco dos VMAs?

Biebs, por sua vez, já foi confirmado como performer. E ele é o outro mega astro com o qual a MTV está contando para que atraia altas audiências para a premiação. O trailer de Minaj (que parece ter sido inspirado em Alice no País das Maravilhas) ainda não estreou mas o de Justin Bieber já está no ar faz uma semana e é bastante interessante:



E sabe qual foi o outro ato que, para surpresa geral, teve indicações recordes aos VMAs? Florence and the Machine.

Quem acompanha o blog já é bastante familiar com a cantora. Apesar de já ter conquistado a Grã-Bretanha e a Austrália, Florence ainda não alcançou o mega-estrelato nos EUA. A MTV, porém, parece estar decidida a mudar isso. Não só a britânica recebeu quatro indicações, ela será uma das performers da noite.

Outros performers confirmados: Kanye West, que depois de quase arruinar sua carreira nos VMAs do ano passado estará de volta ao mesmo palco em busca da redenção; a grande sensação do momento, Drake e o novato B.o.B. que eu também já fiz profile aqui.

E já que desenterrei esse post, vamos dar uma olhadinha no que aconteceu com as figuras que eu decretei as grandes revelações da música britânica no ano passado.

O La Roux conseguiu o que qualquer artista do mundo sonha: um top 10 hit no maior mercado do planeta, os EUA.



Apesar de ser completamente euro sounding e bem diferente do que as rádios americanas costumam tocar, Bulletproof alcançou a oitava posição no Hot 100 dos EUA e vendeu mais de 1 milhão de cópias na terra do Tio Sam. Nada mal.



Apesar de ainda não ter conquistado muitos mercados além da Grã-Bretanha, o sucesso de Pixie Lott continua impressionante na Terra da Rainha. Seu álbum de estréia já vendeu mais de 600 mil cópias, um dos debuts pop mais bem sucedido dos últimos anos. Além disso, ela emplacou mais dois mega hits: Gravity e Turn It Up.

Pixie continuará no holofote nos próximos meses, com guest spot garantido no maior programa do Reino Unido, The X Factor. E, como eu não me canso de repetir, nada mais efetivo do que uma aparição no programa de Simon Cowell para transformar um sucesso num fenômeno ainda maior.

Pixie continua dando seus passinhos em direção aos EUA. Ela teve um dos papeis principais no filme da sensação do Youtube Fred que foi ao ar com audiência satisfatória na Nickelodeon. O seu primeiro single para o mercado estado-unidense será lançado em breve.

Eu acho a garota meio insossa e manufaturada e bem vanilla para estourar no resto do mundo. O sucesso dela na Grã-Bretanha tem mais a ver com promoção muito bem feita do que com qualquer outra coisa. Por tanto, não sei se ela vai conseguir conquistar o mundo. Porém, um time de marketing bom ela tem.

Viral sensation: They're rapin' errrybody out here

A última sensação viral é esse vídeo de um jornal local em Alabama.



O que está sendo notíciado é uma tentativa de estupro onde um cara subiu pela janela do apartamento e tentou atacar a garota que estava dormindo. Sem sucesso pois o irmão, Antoine, ouviu um barulho, correu e conseguiu expulsar o invasor.

E é o Antoine que robua COMPLETAMENTE a cena ao contar o que aconteceu.

Sucesso viral instântaneo. Mas o melhor foi a música que fizeram com as declarações dele:




Brilhante. Música do ano.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Summer releases: Drake e Katy Perry bombam

Como o post passado deixou claro, Eminem continua no topo no mundo do rap. Porém, um novato tem obtido vendas e sucesso impressionantes.



Drake tem apenas 23 anos. E um background bem atípico para um rapper: canadense, judeu e criado num bairro rico de Toronto. Como se isso tudo não fosse anti-thug o suficiente, o jovem passou sua adolescência como um dos protagonistas de Degrassi, uma novela teen de grande sucesso nos EUA e no Canada.

Mas Drake (nome verdadeiro: Aubrey Graham) conseguiu transcender preconceitos e se transformar na grande revelação dos últimos anos no mundo do rap.

Assim como o que está acontecendo com Nicki Minaj no momento, Drake já era um gigantesco nome antes mesmo de ter seu primeiro CD no mercado. O seu EP teve 500 mil cópias comercializadas nos EUA, vendas extremamente impressionantes para um lançamento independente. O seu primeiro single oficial, Best You Ever Had, foi direto para o segundo lugar no Hot 100.



O publico abraçou Drake com enorme rapidez. E não demorou muito para outros artistas urbanos fazerem o mesmo: o garoto foi escolhido como o lead singer do single Forever. Os "colaboradores"? Ninguém menos que três dos maiores e mais respeitados rappers do planeta: Eminem, Kanye West e Lil Wayne. A música, é claro, foi direto para o topo da parada da Billboard.

Foi Lil Wayne, alias, que ganhou o acirrado leilão para contratar Drake. Agora, o canadense veste a camisa da Young Money, a gravadora de Weezy.

Depois de tanto hype, não foi surpresa para ninguém quando o CD do jovem, Thank Me Later, estreou em primeiro lugar nos EUA com vendas altíssimas: 447 mil cópias. Esse ano, só Eminem, Sade e o trio country Lady Antebellum conseguiram superar esse número em uma semana.

O CD, lançado no fim de junho, já vendeu 1 milhão de cópias.


A trajetória de Drake lembra bastante a de Nicki Minaj. Assim como aconteceu com o canadense, Nicki já é uma gigantesca celebridade apesar de não ter nenhum álbum lançado até o momento (seu CD de estréia, Pink Friday, chega as lojas em novembro). Ambos são gigantescamente populares entre adolescentes e jovens. Além disso, ela também é uma artista da Young Money, provando que Lil Wayne é fera na arte de lançar novos talentos.

Não a toa, Nicki e Drake são bastante amigos. O álbum do rapper tem uma colaboração entre os dois artistas e ele não poupa elogios a Minaj em entrevistas.

Up all Night (ft. Nicki Minaj) - Drake

O desafio de Drake será se manter relevante no mundo extremamente trend based do rap. Ele é a estrela do momento mas será que isso irá durar?

Eminem e Jay-Z conseguiram se manter no topo desde o dia 1. Mas eles são a exceção, não a regra.

50 Cent, NAS, DMX, The Game e Diddy são exemplos de artistas que já foram os maiores vendedores dos EUA e hoje em dia são ignorados pelo grande público.

Drake também é o queridinho de outro grupo que é extremamente inconstante: jovens. Seus raps românticos e melódicos parecem ter conquistado garotas adolescentes por todos os EUA, de Nova York até o Alabama. Mas teen idols em geral também tem datas de validade.

Mas enfim, é inquestionável que Drake tem bastante talento. E seus raps melodiosos são um welcome change, na minha opinião. Então, se depender de mim, vida longa a ele.



Outra artista que está bombando MUITO no momento é Katy Perry.

Katy, é claro, estourou com I Kissed a Girl e Hot 'n' Cold faz dois ano. O seu primeiro CD foi um sucesso e, além de seus singles solos, ela ainda teve colaborações bem-sucedidas, principalmente nas paradas europeias (Starstrukk com o 3OH!3 e If We Ever Meet Again com o Timbaland).

Por isso tudo, as expectátivas para seu novo CD eram altas. Porém, muitos se perguntavam: será que Perry conseguiria se manter relevante num mercado cheio de cantoras pop bem sucedidas? Afinal, desde que ela estourou, outras artistas roubaram o holofote (i.e.: Lady Gaga) e, apesar de ter sido bem-sucedida, Katy nunca alcançou o mega-estrelato, como alguma de suas concorrentes (i.e. Lady Gaga).

Mas, para surpresa de muitos, Perry conseguiu se manter relevante. E ao que tudo indica, o segundo CD superará por muito o sucesso do primeiro.

Para começar, o primeiro single, California Gurls, é o grande sucesso do ano. E não é difícil entender o porque: com a chegada do verão (no Hemisfério Norte), o público está sedento por músicas divertidas sobre praia e festa. Quando a música em questão é cantada por uma artista do momento (Perry) e produzida por um cara que é sinônimo de smash hit (Dr. Luke, responsável por TiK ToK, I Kissed a Girl, Hot n Cold, Party in the USA, Right Round e outras toneladas de hits), o sucesso é certeiro.

O single rapidamente alcançou o primeiro lugar no Hot 100, vendendo mais de 3 milhões de cópias nos EUA em apenas 2 meses e se tornando o hino oficial do verão americano (até em Nova York. Prova disso, é uma matéria no site da New York Magazine, a principal revista da cidade, cujo bem-humorado título é "Músicas do Verão: O que ouvir quando você não estiver ouvindo California Gurls"). A música também alcançou o primeiro lugar em todos os grandes mercados anglo-saxões: Grã-Bretanha, Austrália e Canada.

Eu realmente acredito que o CD de Katy Perry será um dos grandes sucessos do ano. Em primeiro lugar, Katy já é uma artista com uma fanbase grande e o gigantesco sucesso de seu novo single fez com que a quantidade de fãs crescesse ainda mais (sua página no Facebook, por exemplo, pulou de 2 milhões para mais de 6.5 milhões de fãs nos úlitmos 4 meses).

E, analisando a imagem da interprete objetivamente, você se dá conta que ela é PERFEITA para o mercado americano.

Começando pelo look. Ela tem um rosto lindo e um corpo lindo. E, mais do que isso, peitos gigantescos. Todo mundo sabe que peitos gigantescos vendem. Inclusive Katy, que adora os expor.


Além disso, ela não tem nenhum grande escândalo ou nenhum motivo para o público não gostar dela. Sua imagem é extremamente "limpa".

Outro grande trunfo dela é sua personalidade mega irreverente e bem-humorada. Mas seu humor é extremamente seguro e nunca, nunca chego perto de passar do limite do aceitável. Perfeito para o público estado-unidense (ao contrário de seu noivo, o polêmico comediante britânico Russel Brand).

E, claro, ela faz aquele mix que os EUA tanto ama: ela tem uma imagem extremamente sexual, sempre colocando seu corpo e fantasias clichês (garotas beijando garotas!) em primeiro plano ao mesmo tempo que prega valores super familiares (ela é democrata, está sempre em roupinhas curtas e beija garotas mas é super cristã. "Eu acho que quando você mistura o nome do Nosso Senhor com imagens sexy, coisas ruins acontece", ela disse super eloqüentemente para a edição mais recente da Rolling Stone americana).

O que dá certo nos EUA, dá certo na Austrália. O público oceânico (um dos maiores mercados da atualidade) é extremamente influenciado pelos sucessos dos Estados Unidos.

E na Grã-Bretanha, o segundo maior mercado do Ocidente (único mercado além dos EUA onde as vendas de um artista americano podem passar da casa do milhão), o sucesso de Perry está mais que garantido: não só porque ela tem vários singles de sucesso por lá mas também porque ela terá um papel fundamental nessa temporada do The X Factor (ela será juíza convidada nas fases preliminares e provavelmente irá promover seu single mais recente com alguma performance) e o reality show tem um impacto avassalador nas paradas do país.

O sucesso de California Gurls fez com que Perry tivesse espaço garantido em todas as principais estações de rádios nos EUA. E ela é uma das artistas do momento: Teenage Dream, o segundo single que mal foi lançado, penetrou o top 10 da Billboard na sua semana de estréia. Até Not Like the Movies, uma balada fraquinha que foi lançada como "gostinho" do CD e nem é um single, está no top 20 do iTunes .

Tudo isso fez até com que o primeiro CD da cantora, One of the Boys, voltasse para o top 5 de vendas de álbuns no iTunes.

Enfim, tenho certeza que Teenage Dream, o segundo álbum de Katy, terá vendas para lá de satisfatórias.

For the record: eu não gosto de Perry. Acho seu humor insuportável, acho ela burra que nem uma porta e acho que ela tem uma voz fraca e irritante. Mas whatever... algumas músicas dela são divertidas.

Quem sou eu