Depois de anos sendo um pop culture junkie, finalmente resolvi canalizar minhas energias em algo útil (assim, dependendo da sua perspectiva). Esse blog tem, portanto, o objetivo de documentar quem está causando na cultura pop mas não comentando do óbvio e sim antecipando tendências e o que está por vir. E-mail me @ tacausando@gmail.com. Mais sobre a nossa proposta.

quarta-feira, 21 de março de 2012

O Artista quem?


O filme francês do momento é, sem duvida nenhuma, "The Artist". Grande ganhador do Oscar esse ano, o filme, distribuído pelo onipresente e poderosíssimo Harvey Weinstein, chamou a atenção por não só não ser americano (quer dizer, em termos: apesar de diretor e elenco francês, ele foi gravado em Los Angeles com dinheiro americano) mas também por ser totalmente em P&B e mudo. O protagonista, Jean DuJardin, um household name na França graças a seu papel na popularíssima (e nada cult) comédia televisiva Un Gars, Une Fille, se transformou no primeiro ator do país a ganhar um Academy Award. Isso sem contar todas as outras toneladas de prêmio que o filme e seus atores receberam: Globos de Ouro, Cesar, SAG Awards, BAFTA....

Mas, enquanto o filme de Michel Hazanavicius monopoliza as manchetes e a atenção dos cinéfilos, é outro filme francês que está quebrando tudo quanto é tipo de recorde. Com 281 milhões de dólares arrecadados, Intouchables, uma comédia despretensiosa dirigida por Eric Toledano e Olivier Nakache, acaba de se tornar o filme de língua estrangeira (língua estrangeira = qualquer língua que não seja inglês) mais bem sucedido de todos os tempos.

A história da improvável amizade entre um aristocrata paraplégico e seu empregado negro, proveniente de um dos conjuntos habitacionais pobres de Paris, poderia ser um desastre ao cair em clichês e possíveis tabus raciais. Ao invés disso, a história se tornou um verdadeiro fenômeno social, atraindo críticas mais do que positivas e vendendo mais de 20 milhões de ingressos na França (cuja população é apenas três vezes isso: 62 milhões), onde passou 10 semanas consecutivas como o filme mais visto e terminou 2011 desbancando Harry Potter, Piratas do Caribe e afins como a maior bilheteria do ano (166 milhões de dólares). Mais do que isso, o filme foi creditado por revolucionar as visões de raça e preconceito na França, um país que sempre tratou o assunto com extrema cautela e medo. Alguns afirmam que Intouchables ajudou a quebrar estereótipos relacionados a conjuntos habitacionais e imigrantes que durante anos permearam a vida dos locais.


Intouchables se transformou no segundo filme com maior bilheteria na história da França. Na frente dele, só outro fenômeno de bilheteria, a comédia Bienvenue chez les Ch'tis que, em 2008, lucrou 195 milhões no país e também foi elogiada por quebrar estereótipos (no caso, sobre o norte da França, especificamente a região de Nord-Pas-Calais que, historicamente, é considerado o pior lugar do país para se morar devido a seu clima sempre chuvoso, desemprego acima da média nacional e o sotaque dos locais, considerado irritante por muitos. Depois do filme, isso mudou radicalmente e a região está na moda desde então). Porém, Intouchables tem uma vantagem em relação a Ch'tis: a comédia ultrapassou as fronteiras francesas e está, aos poucos, conquistando o resto da Europa e do mundo.

De fato, o filme quebrou o recorde de maior bilheteria de um filme não-anglofônico graças ao sucesso sem precedentes em apenas pouquíssimos territórios, já que ele ainda não estreou na maior parte da Europa, muito menos nos EUA e nas Américas.

Porém, onde já estreou, o filme quebra recordes: na Alemanha, com 70 milhões de dólares arrecadados até o momento, o filme ocupou o topo das bilheterias por 9 semanas consecutivas (e tudo indica que ele voltará ao topo na próxima semana) e deve passar da marca dos 100 milhões em breve. O filme já é o maior sucesso francês na história do país.

Agora, o sucesso se repete em mais dois territórios: a Itália e a Espanha onde o filme já lucrou 8 e 5 milhões de dólares respectivamente, mais do que a maior parte dos blockbusters americanos do ano até o momento. Em tempo, na Itália, a versão local de Bienvenue chez les Ch'tis, Bienvenuti al Sud, se provou um sucesso tão gigantesco em 2010 que uma seqüência original, Bienvenutti al Nord, foi produzida e é, até o momento, a maior bilheteria do ano no país (40 milhões de dólares; como referência: o último filme do Harry Potter lucrou 30 milhões no país). 

O filme estréia em maio nos EUA onde será distribuido por -- quem mais? -- Harvey Weinstein, o mesmo que colocou o dinheiro por trás de O Artista. Antes mesmo da estréia, o filme já se provou controverso no país quando a Variety, numa crítica extremamente mal recebida pela imprensa francesa, chamou o filme de "racista". Já Bienvenue chez les Ch'tis teve os direitos de adaptação comprados por ninguém menos que Will Smith.

Com o recorde de maior bilheteria não-anglofônica da história antes mesmo do filme ter estreado na maior parte do mundo (como os EUA, o maior mercado mundial; Reino Unido, o maior mercado para filmes estrangeiros e Japão, onde o filme já ganhou um prêmio no Tokyo International Film Festival) ou ter recebido qualquer prêmio internacional e com resultados estratosféricos nos pouquíssimos mercados em que foi lançado (França; Bélgica; Itália; Espanha; Alemanha; Áustria), não tenho duvidas que Intouchables ainda tem muito caminho a percorrer. No Brasil, a estréia está prevista para agosto.

Entre Intouchables e Le Artist, 2012 parece ser o ano do cinema francês, não é mesmo?

Em tempo, antes de Intouchables, o recorde pertencia ao filme animado japonês "A Viagem de Chihiro" (2002) com 276 milhões de dólares arrecadados (230 milhões só no Japão onde é a maior bilheteria da história). Outros filmes não anglofônicos que ultrapassaram a marca de 200 milhões de dólares arrecadados mundialmente incluem outros dois filmes animados do Studio Ghibli (Howl's Moving Castle e Ponyo) e o italiano "A Vida é Bela".

Edit: O trailer americano acaba de ser lançado. Para quem não entende francês mas entende inglês, dê uma olhadinha:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu