Depois de anos sendo um pop culture junkie, finalmente resolvi canalizar minhas energias em algo útil (assim, dependendo da sua perspectiva). Esse blog tem, portanto, o objetivo de documentar quem está causando na cultura pop mas não comentando do óbvio e sim antecipando tendências e o que está por vir. E-mail me @ tacausando@gmail.com. Mais sobre a nossa proposta.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Três lições que podemos tirar de Hold It Against Me, o novo single de Britney



O mundo pop está em polvorosa com o lançamento do novo single de Britney Spears. Hold It Against Me é a primeira música de trabalho do sétimo álbum da cantora, com lançamento previsto para março, e seu sucesso reafirma a posição de Britney como um dos maiores icônes pop do planeta.

Além dos motivos óbvios, Hold It Against Me é interessante pois ele nos ensina algumas lições valiosas sobre o presente e o futuro da cultura pop:

  1. Quando Britney Spears surgiu, no fim de 1998, as comparações com Debbie Gibson e Tifanny, duas cantoras teen dos anos 80 que rapidamente caíram no anonimato, foram inescapáveis. Doze anos depois e Spears prova que os críticos não poderiam estar mais enganados: o vazamento do primeiro single do seu novo CD causou tanto tráfico que centenas de sites que disponibilizaram a música saíram do ar devido ao gigantesco número de acessos. Quando a música foi disponibilizada oficialmente no iTunes, ela vôou para o primeiro lugar em 17 dos 19 países em que ela foi lançada (EUA, Canada, Australia, Nova Zelândia, França, Bélgica, Dinamarca, Noruega, Mexico, Irlanda, Finlanda, Grécia, Italia, Espanha, Portugal, Suécia e Suíça).

    Nos EUA, as rádios abraçaram a música com tanta avidez que Hold It Against Me quebrou o recorde de maior número de adds e de spins em um menor espaço de tempo (em menos de 12 horas, a música tinha sido tocada 619 vezes nas rádios americanas). Estima-se também que o single vai vender mais de 400 mil cópias em sua primeira semana, o suficiente para quebrar o recorde de Eminem que vendeu 370 mil unidades de Not Afraid em sua semana inicial no iTunes (o recorde geral pertence a Ke$ha, cujo TiK ToK vendeu 620 mil cópias na semana de natal nos EUA em 2009).

    Além disso, desde Perez Hilton até a CNN publicaram críticas da música em seus sites (o veredito foi positivo. Não que isso faça qualquer diferença para o sucesso de Britney), provando que o lançamento de Hold It Against Me não era um simples lançamento de single e sim um acontecimento.

  2. Britney não é, em nenhuma maneira, uma visionaria. Na hora de escolher os produtores de seu novo hit, Spears optou pelo caminho mais óbvio: Max Martin e Dr. Luke.

    É verdade que a relação de Britney com Max Martin precede a superexposição do produtor. Afinal, foi Martin que escreveu Baby One More Time. E foi ele também o responsável por Oops... I Did It Again e vários outros clássicos da cantora (assim como por todos os sucessos de outros icônes do pop nos anos 90: Backstreet Boys e NSync e também pelo maior sucesso do Bon Jovi desde os anos 80, It's My Life).

    Porém, no momento que Martin começou a ficar desgastado e o pop saiu da moda e foi substituido nas paradas pelo gênero urbano, Britney e sua equipe não pensaram duas vezes antes de dispensar o suéco e começar a trabalhar com produtores mais edgy.

    Em 2005, Max Martin se juntou com o novato Dr. Luke, que até então nunca tinha produzido uma música pop, e os dois escreveram e produziram Since You've Been Gone. A música foi essencial para transformar Kelly Clarkson, na época conhecida por toda população nos EUA por ter ganho American Idol mas sem uma imagem definida, em uma cantora de sucesso no mundo inteiro com um estilo próprio. E, mais do que isso, ela colocou Luke no mapa e reergeu a carreira de Martin.

    Desde então, Max e Luke colaboraram em dezenas de hits que alcançaram o topo das paradas em todo o mundo: Girlfriend da Avril Lavigne; So What, Who Knew? e U+Ur Hand da P!nk; Whataya You Want From Me do Adam Lambert; California Gurls, Teenage Dream, I Kissed a Girl e Hot n Cold da Katy Perry; Dynamite do Taio Cruz entre outras.

    Dr. Luke é considerado o produtor pop mais bem-sucedido da atualidade. O último produtor que conseguiu tantos hits globais consecutivos foi Timbaland entre 2006 e 2008 (numa tentativa de não queimar sua imagem tão rapidamente, Luke opta por ficar apenas nos bastidores, enquanto Timbaland aparecia tanto quanto os artistas para quem ele produzia). Além do que já foi citado acima, Lukaas (seu nome real) foi responsável por todas as músicas da Ke$ha, Party in the USA da Miley, Right Round do Flo-Rida, Magic do B.o.B. e My First Kiss do 3OH!3.

    Apesar de não ser tão idolatrado pela indústria quanto Luke, Martin está aproveitando seu segundo ápice, também tendo sido responsável por gigantescos hits como Raise Your Glasses da P!nk e DJ Got Us Fallin' in Love do Usher.

    Então, uma vez que Martin e Dr. Luke eram presenças fixas nas paradas e nas playlists das principais estações de rádio, Britney, que tinha dispensado Max em 2003, resolveu colaborar com a dupla. Circus, o segundo single do CD homônimo de Spears, foi produzido pelos dois. Hold It Against Me também.

    Além disso, especula-se que Dr. Luke seja o produtor executivo do álbum.

  3. Porém, com toda sua influência e sucesso, é claro que Britney é uma inciadora de tendências.

    Em Hold It Against Me, Spears introduz o dubstep, um ritmo eletrônico extremamente popular entre a juventude britânica, ao mundo inteiro.

    Surgido em Londres em 2001, dubstep tem crescido em popularidade desde então. O ritmo se caracteriza por ser dançante, eletrônico e ter batidas fortes.

    Mesmo na Grã-Bretanha, onde o dubstep é extremamente popular em boates, o ritmo só está ganhando representação nas paradas recentemente. A cantora Katy B é o maior exemplo de sucesso, tendo emplacado duas músicas de enorme sucesso nos últimos meses, Katy on a Mission (alcançou o quinto lugar das paradas) e Lights On (quarto lugar).
    Spears deve acelerar o crescimento em popularidade do ritmo não só no Reino Unido mas também em todo o mundo.

    Vários artistas que são presença obrigatória nos charts mundiais já vocalizaram ser grandes fãs de dubstep, mais notavelmente Will.i.Am e Rihanna (que é grande fã da cena musical inglesa em geral). Contudo, Britney é a primeira a utilizar o ritmo em alguma das suas músicas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu