Depois de anos sendo um pop culture junkie, finalmente resolvi canalizar minhas energias em algo útil (assim, dependendo da sua perspectiva). Esse blog tem, portanto, o objetivo de documentar quem está causando na cultura pop mas não comentando do óbvio e sim antecipando tendências e o que está por vir. E-mail me @ tacausando@gmail.com. Mais sobre a nossa proposta.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

2011 na cultura pop: o ano de Adele


Bom, 2011 foi um ano com pouquíssimas atualizações, não é mesmo? Pois é, super reneguei o blog ao longo do ano, e francamente, não posso prometer que serei melhor nesse aspecto em 2012 (mas juro que vou tentar). Contudo, se você é um leitor que, apesar do ritmo lento de novidades, continua periodicamente checando o blog, eu agradeço enormemente pelo apoio.

Mas, indo ao assunto que interessa: cultura pop. Não existe NENHUMA duvida a quem esse ano pertenceu, não é mesmo? 2011 foi o ano que Adele brilhou, vende e se destacou mais do que QUALQUER um poderia ter imaginado.

Apesar de ser a antitese de tudo que faz sucesso hoje em dia -- Adele só costuma usar preto; suas músicas são lentas e com letras deprimentes; ela é sincera em entrevistas e pouquíssimo manufaturada (apesar de muito bem promovida) -- ninguém dominou tanto o coletivo mundial, as rádios e os iPods quanto essa londrina de 23 anos.

No começo do ano, eu escrevi alguns posts sobre o sucesso sem precedentes que a cantora estava alcançando. Na décima semana do álbum 21 nas lojas britânicas, eu escrevi sobre o sucesso avassalador que o CD estava conseguindo no país de origem da cantora. Olhando para trás, aqueles recordes são modestos comparados com o que a jovem inglesa conquistou nos 8 meses seguintes. 


Para começar, o álbum vendeu 3.8 milhões de unidades no Reino Unido ao longo de 2011. Em apenas 12 meses, o CD vendeu o suficiente no país para se tornar o maior vendedor do século 21, ultrapassando, por 400 mil cópias, Back to Black de Amy Winehouse. Em menos de um ano, em um período de enorme crise para a indústria fonográfica, 21 se transformou no sétimo álbum mais vendido da história do Reino Unido. E, levando em conta que a cantora continuará promovendo o CD em 2012, não existe a menor duvida que ele continuará subindo no ranking. É só questão de tempo para a londrina de 23 anos desbancar Thriller de Michael Jackson (3.825); The Dark Side of the Moon de Pink Floyd (3.96 milhões) e Brothers in Arms do Dire Strait (4 milhões) e entrar no top 5 dos CDs mais vendidos da história na terra da rainha.

E isso tudo sem contar o fato do primeiro álbum da cantora, 19, lançado em 2009, ter vendido 1.21 milhão de cópias ao longo do ano, o suficiente para duplicar as vendas que o CD tinha conquistado ao longo dos últimos dois anos (total: 2 milhões só no UK). Ah, e o single mais vendido do ano também pertenceu a Adele: Someone Like You, impulsionada pela performance groundbreaking no BRIT Awards, vendeu 1.3 milhão de unidades, sendo a primeira vez desde 2007 que um single ultrapassa a marca de 1 milhão dentro de um ano cívil (e a primeira desde 2001 quando você desconta singles de vencedores dos reality shows The X Factor e Pop Idol) e desde 1995 que o mesmo ato ocupa o topo da parada anual de single e de CDs.


Isso sem contar com as vendas de Set Fire To the Rain (500 mil unidades apesar de não ter sequer alcançando o top 10 semanal ou ter um vídeo) e Rollin' in the Deep (800 mil unidades).

No meu texto de abril eu destacava como o CD estava sendo um gigantesco sucesso nos EUA mas ainda era cedo para determinar se ele alcançaria o mesmo sucesso que no Reino Unido. Agora posso afirmar com total convicção: sim, o sucesso nos EUA, o maior mercado mundial, foi tão gigantesco e surpreendente quanto no país natal da cantora. Com 6 milhões de unidades vendidas ao longo do ano, 21 foi o CD que obteve melhor resultado de vendas em um ano cívil desde Confessions de Usher em 2004. Ela vendeu mais do que o dobro do segundo CD mais vendido do ano nos EUA (2.5 milhões do CD Christmas de Michael Bublé)  e também teve o single mais vendido (Rollin' in the Deep, 5.6 milhões de unidades).

Depois de uma apresentação nos VMAs, Someone Like You também alcançou o topo do Hot 100 americano, sendo a primeira vez que uma música que continha apenas vocais e um piano encabeçou a lista na história do país. O single já vendeu 3.6 milhões de unidades no país até o momento.

Como se isso tudo não fosse o suficiente, Adele encabeçou a lista de álbuns mais vendidos do ano em virtualmente todo o planeta, quebrando recordes na FrançaAustrália, Alemanha, Canadá, Holanda, Portugal, Finlândia....

E no Brasil? Basta ir até o site de letras do Terra, o site musical mais acessado do país, para ver a cantora dominando o top 3 (com Someone Like You, Rollin' in the Deep e Set Fire to the Rain) e, desde o lançamento do iTunes no país, em dezembro, a cantora ocupa o topo da parada de singles e de álbuns por aqui.

E vale destacar que durante os últimos três meses do ano, Adele teve que cancelar absolutamente todas as suas aparições públicas devido a um problema nas cordas vocais. Apesar do total sumiço da mídia (pelo menos fisicamente, já que todos os meios de comunicação seguiram falando nonstop sobre o sucesso dela), que incluiu cancelamentos em programas high profile como o Europe Music Awards e a final do X Factor britânico, a cantora continuou no topo de todos os principais mercados do mundo e, apesar de nenhuma promoção e nem sequer um vídeo, Set Fire to the Rain ocupa o segundo lugar no iTunes americano (depois de mais de 6 milhões de unidades comercializadas do CD, algo inédito).

Em 2012, podem apostar que as vendas de Adele seguiram fortíssimas. Ela varrerá os BRIT e o Grammy, as principais premiações dos EUA e do Reino Unido, que catapultam a venda dos CDs ganhadores; voltará para a TV; continuará lançando singles e retomará sua turnê mundial que teve que ser cancelada as pressas devido aos seus problemas na garganta.

  • Dois número 1 globais (Rollin' in the Deep e Someone Like You).
  • O CD mais vendido do ano (15.3 milhões de cópias no mundo todo), mais que triplicando as vendas do segundo colocado (5 milhões de Christmas do Michael Bublé).
  • Indicada a todos os principais prêmios músicas.
  • Centenas de recordes quebrados.
  • Apesar de sempre aparecer em público com a mesma roupa (um discreto vestido preto), se tornou um ícone fashion, estampando a capa da edição de outubro da Vogue britânica. Ela também estará na capa da edição de março da Vogue estado-unidense, uma das edições mais importantes e grossas do ano (por apresentar as tendências de primavera).

3 comentários:

  1. Adele conseguiu tudo isso sentada em uma cadeira batendo o pesinho em “Rolling in the Deep” passeando por Londres em “Someone Like You” e claro com muito talento.

    Coisa que Lady Gaga não conseguiu lançando um álbum cheio de pretensões acompanhado de uma enxurrada de promoções/apresentações, Beyoncé lançando CD/DVD com praticamente um clip por semana (e um anuncio de gravidez cafona)...

    Tomara que as duas ultimas se preocupem mais com a qualidade de suas músicas e menos com mídia a partir de agora.

    Adorei o post.

    ResponderExcluir
  2. André, não importa a demora entre seus posts, eles sempre valem a pena :)

    Sou leitor fiel do seu blog e já acompanhei toda sua trajetoria pela blogosfera, desde a época do Shoujo Brazil ate aquele seu blog pessoal, três pequenos pontos.

    Adele é uma fofa e merece todo o sucesso que tem. O próximo post poderia ser sobre Madonna ou Janelle Monáe, né?

    Feliz 2012!

    Pedro

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado pelo apoio, um ótimo 2012!

    ResponderExcluir

Quem sou eu