Depois de anos sendo um pop culture junkie, finalmente resolvi canalizar minhas energias em algo útil (assim, dependendo da sua perspectiva). Esse blog tem, portanto, o objetivo de documentar quem está causando na cultura pop mas não comentando do óbvio e sim antecipando tendências e o que está por vir. E-mail me @ tacausando@gmail.com. Mais sobre a nossa proposta.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Pop culture round-up: 2012 so far

  • L.U.V. Madonna! Madonna estava toda trabalhada no circuito de promoção nesse comecinho de ano. Promovendo seu novo single e seu debut como diretora, W, ela teve um episódio inteiro do talkshow britânico Graham Norton Show dedicado a ela e os atores de seu filme (do qual isso foi sem duvida o highlight) assim como uma série de entrevistas com a emissora ABC (o sound bite que mais repercutiu foi ela chamando Born this Way de "redutivo". Ouch). Ah, ela também lançou o lead single do seu novo álbum, M.D.N.A., Gimme All Your Luvin' que tem a participação da onipresente Nicki Minaj e de M.I.A.
  • Para promover seu novo lançamento, Madonna foi o ato do half-time show do Superbowl desse ano. Isso é um HUGE deal porque o Superbowl, a final de futebol americano, atraí sempre audiências superiores a 100 milhões de pessoas e é o programa mais visto nos EUA todo ano. Ou seja, é a melhor plataforma promocional possível. E também é importante porque, desde que o peito de Janet Jackson foi exposto na performance mais escândalosa da história nos EUA durante o halftime act de 2004, a NFL estava sempre optando por atos seguros e velhos e boring (i.e.: U2. Tom Petty & the Heartbreakers; Paul McCartney; Rolling Stones; Prince; Bruce Springsteen; zzzzzzzzzz) ou simplesmente péssimos (Black Eyed Peas) então Madonna era uma boa change of tune.
  • O show foi um giga sucesso, sendo o terceiro evento mais tweetado da história (depois da exibição de O Castelo Animado na TV japonesa -- pois é e os minutos finais do Superbowl, quando o NY Yankees foram declarado os grandes campeões) e atingindo a maior audiência de um halftime show na história (114 milhões de espectadores) lembrando ao mundo porque Madonna é considerada a rainha do pop.
  • O momento que deixou os americanos conservadores e os executivos televisivos em desespero: quando M.I.A. deu o dedo do meio durante a apresentação. "Foi um ato desnecessário e imaturo", resumiu Madonna em uma entrevista de rádio com (o também onipresente) Ryan Seacrest.
  • Apesar da promoção giga, Gimme All Your Luvin' tá longe de colocar fogo nas paradas. A música está tendo um desempenho bem fraco na Europa (primeiro lead single da Madonna a não alcançar o top 10 e, até o momento, nem sequer o top 40 no Reino Unido) apesar de ter conseguido um digno top 10 placement nos EUA (mesmo assim, com toda a promoção, deveria ter pelo menos chegado ao topo do iTunes, o que não rolou). Não que Madonna precise se preocupar, né? Uma promoção de pré-venda do seu álbum no iTunes colocou ele no topo em todos os mercados do mundo e sua turnê, que percorrerá estádios de todo mundo, já tá com as primeiras pernas quase esgotadas (apesar dos ingressos modestos de 300 dólares). Para o Brasil, parece que ela vem em dezembro se apresentar no Morumbi em SP e na Cidade do Rock no Rio.
  • Falando em SuperBowl, além do jogo e do halftime show, os comerciais são considerados um evento em si (afinal, custa 3 milhões de dólares por 30 segundos durante o intervalo do jogo). Em anuncios relacionados a cultura pop, tivemos a NBC, onde o programa foi emitido, criando spots especiais para  Jay Leno (com participação de Madonna); a estréia do controverso e chocante apresentador de rádio Howard Stern como jurado de America's Got Talent; a nova grande aposta de ficção deles, o Glee-influenced Smash! e, claro, The Voice, o reality de canto que conseguiu o disputado slot pós-jogo (o anúncio de The Voice, alias, foi dirigido pelo diretor hollywoodiano Peter Berg e contou com a participação de Betty White que voltou as graças do público exatamente graças a um anuncio no Superbowl). 
  • Já Hollywood usou o jogo para promover a reestréia em 3D de "Guerra nas Estrelas"; o patriótico filme de guerra Act of Valor (que, apesar de um elenco completamente desconhecido e ter sido produzido independentemente, foi adquirido por milhões de dólares); a versão cinematográfica de Batalha Naval (estrelando Liam Neeson e com a estréia cinematográfica de Rihanna); o novo filme da Marvel, The Avengers (que terá todos os seus super heróis como o Hulk e o Homem de Ferro reunidos); a nova comédia de Sascha Baron Cohen, The Dictator; o filme de ação de Denzel Washington e Ryan Reynolds, Safe House; o starring-vehicle de Taylor Kitsch para Disney, John Carter e o animado Dr. Seus' The Lorax, que conta com as vozes de Zac Efron e Taylor Swift.
  • Outros pop culture-related Superbowl commercials: Clint Eastwood num tocante anuncio entitulado "Halftime in America" para a Chrysler; o comediante britânico Ricky Gervais promovendo o sistema de cabo da Time Warner; Elton John e a ganhadora do X Factor US, Melanie Amaro, vendendo Pepsi; David Beckham seduzindo só de cueca para sua nova linha de underwear para a fast fashion H&M; Matthew Broderick recriado Ferris Bueller de "Curtindo a Vida Adoidado" para o Honda e Jerry Seinfeld anunciado Acura e fazendo referências ao seu icônico sitcom. Ah, e We Are Young, música da band Fun com Janelle Monae, foi usada como trilha sonora do comercial da Chevy, o que faz a musica voar para o top 2 do iTunes e alcançar um novo ápice no Hot 100.
  • Alias, o slot pós-Super Bowl fez maravilhas para The Voice. O reality de canto da NBC atraiu 38 milhões de espectadores (o programa pós-jogo mais visto desde Grey's Anatomy faz 6 anos) logo após o Super Bowl e tem se mantido com mais de 16 milhões de espectadores toda semana, bem na cola de American Idol na FOX (na faixa dos 20 milhões) e está cada vez mais próximo de ultrapassar a concorrência e se transformar no programa mais visto do país.
  • Além de Madonna, temos Katy Perry e Nicki Minaj se preparando para lançarem suas novas eras. Depois de dois promo singles (Roman in Moscow e Stupid Hoe) e a super controversa apresentação nos Grammys, Minaj lançou seu primeiro single oficial, o genérico Starships (produzido pelo batido, porém efetivo, RedOne) e a música já está no top 10 do iTunes americano e britânico. Nicki ainda está nas capas da edição anual de moda da New York Magazine; da revista fashion indie Paper e da publicação de música urbana Vibe. Seu novo álbum, Pink Friday II: Roman Roladed, chega as lojas em abril. 
  • Já Perry, que está prestes a relançar Teenage Dream em março (sob o nome Teenage Dream: The Complete Confections com mais três faixas adicionais e alguns remixes), cantou o primeiro single do projeto, Part of Me (produzido pelo seu fiel escudeiro Dr. Luke), nos Grammys e a música já está no topo do iTunes estado-unidense e deve alcançar o primeiro lugar no Hot 100 em pouquíssimo tempo, com vendas de primeira semana superiores a 400 mil unidades (o melhor desempenho desde os primeiros três dias de Born this Way faz um ano). Ela gravou o vídeo da música na semana passado, num campo militar na Califórnia.
  • Já Rihanna está deixando seus fãs e sua equipe enormemente aflitos. Hoje, seu aniversário, estava previsto que ela lançasse a versão completa de Birthday Cake, um prelúdio de seu novo álbum. Porém, foi anunciado que a música contaria com "vocais surpresas" e tudo parecia indicar que a "surpresa" seria Chris Brown, ex-namorado da a cantora que a espancou (na verdade, tentou a matar de acordo com o boletim de ocorrência) faz quatro anos. A equipe da cantora, incluindo seus empresários e agentes, está desesperada e tentou proibir o lançamento da música (que foi gravada por decisão unicamente de Rihanna) e até a Billboard escreveu uma carta pública para ela pedindo que a caribenha se afastasse de seu ex.
  • Porém, apesar de todo o caos e aflição, Rihanna e Chris Brown pareciam estar decididos a lançar a música. Depois da carta da Billboard, Rihanna tweetou "Chiefin' while ppl spend hrs on letters... *kanye shrug*" (pouco me lixando para as cartas) e várias outras perolas igualmente emo enquanto Chris Brown publicou na rede de microblogs "Let them be mad!!!! We make music. Don't like it, don't listen! Turn up the music remix is coming soon too! Guess who's on it?"  ("Podem ficar irritados!!! Nós fazemos musicas. Não gosta, não escute. O remix de Turn up the music saí em breve também! Advinha quem vai participar?").
  • Provavelmente devido a proibições de seus empresários e agentes, as músicas que reuniam Chris Brown e Rihanna não foram lançadas no iTunes hoje, como previsto. Porém, tanto a versão completa de Birthday Cake quanto de Turn Up the Music vazaram e, sim, foi confirmado: os dois realmente fizeram as pazes e estão colaborando juntos. Clique aqui para conferir a versão de Birthday Cake completa com Brown e aqui o remix de Turn Up the Music com Rihanna. A cantora aparece em público amanhã para se apresentar no BRIT Awards em Londres.
  • Depois de anos apagadas no mercado estadounidense (desde os anos do NSync e dos BSB), parece que as boybands finalmente tão fazendo um retorno por lá. E boybands britânicas nonetheless. Depois de uma apresentação no talkshow da Ellen, Glad You Came, single da banda The Wanted, está prestes a penetrar o top 10 e vai ser inclusive versionado em Glee na semana que vem (detalhe: o empresário de Justin Bieber tá ajudando eles na estréia stateside). Já What Makes You Beautiful, primeiro single do One Direction, banda formada por Simon Cowell no X Factor 2010 britânico, estreou diretamente no top 10 do iTunes por lá, um ato mais que impressionante, principalmente levando em conta que a canção ainda não foi enviada para as rádios e os meninos ainda nem fizeram sua primeira aparição televisiva. Ainda é cedo para saber se as bandas terão algum sucesso a longo termo mas são estréias batante impressionantes, principalmente quando se considera que todas as maiores boybands britânicas (do Take That ao Westlife) nunca conseguiram penetrar o mercado americano.
  •  Falando em One Direction, os meninos parecem que vão conquistar o mundo mesmo. Depois de ficarem em terceiro no X Factor 2010, venderem mais de 500 mil unidades de seu álbum na Grã-Bretanha e terem sua turnê nacional esgotada, eles agora estão partindo para o resto do mundo. Aqui no Brasil, já emplacaram uma capa na Capricho enquanto, na Itália, eles já tão no topo do iTunes graças a uma bem sucedida apresentação no Festival de San Remo. Eles ainda causaram histeria em sua visita a Suécia e hoje, causaram enorme tumulto na chegada deles em Paris onde iram fazer seu debut no prestigioso programa Le Grand Journal.
  • A modelo mais comentada no momento nos EUA é Kate Upton. A all american girl de apenas 19 anos emplacou a capa da Swimsuiit Issue da Sports Illustrated, a edição especial da revista de esportes cheias de modelos posando de biquini e que vende milhões e tem a capacidade de lançar as garotas para o estrelato (pesquisem Brooklyn Decker).
  • Upton está longe de ter as proporções de uma típica modelo e ficou famosa graças a um vídeo no YouTube dela fazendo o dougie, uma popular coreografia entre jovens americanos, durante um jogo de basquete. Apesar de ser muito mais encorpada que o normal, a garota foi contratada pela IMG, a agência ultra badalada que é responsável pela Gisele Bundchen. Desde que ela emplacou a capa, a imprensa estado-unidense está viciada na menina e ela foi até tema de uma extensa reportagem no New York Times.
  • Kate tem um extenso fã clube mas a britânica Sophia Neophitou, uma das figuras mais influentes da moda, não está entre eles. Sophia é responsável por decidir quais garotas desfilam no Victoria's Secret Fashion Show, exibido anualmente para milhões de espectadores na TV americana e que também tem o poder de transformar modelos em super mega estrelas (exemplos: Gisele Bundchen; Tyra Banks; Heidi Klum; Adriana Lima etc etc). "Ela parece uma esposa de jogador de futebol. O cabelo dela é loiro demais e ela tem uma cara que qualquer pessoa com dinheiro o suficiente pode comprar igual. Nunca a usariamos na nossa passarela", resumiu Sophia para o NYT. Ouch.
  • No mais, Adele continua arrasando; Whitney Houston morreu; Seal e Heidi Klum se separaram e Os Artistas, um filme mudo francês, levou todos os Globos de Ouro. Tá bom, né?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu