Depois de anos sendo um pop culture junkie, finalmente resolvi canalizar minhas energias em algo útil (assim, dependendo da sua perspectiva). Esse blog tem, portanto, o objetivo de documentar quem está causando na cultura pop mas não comentando do óbvio e sim antecipando tendências e o que está por vir. E-mail me @ tacausando@gmail.com. Mais sobre a nossa proposta.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

E o backlash começou


Taylor Swift descobrindo que não é fácil equilibrar um sucesso tão avassalador

Na cobertura dos Grammys eu comentei que Taylor Swift finalmente tinha atingido o teto. A carreira dela tomou proporções tão gigantescas (ganhando ainda mais força graças ao incidente nos VMAs envolvendo Kanye) que não havia mais para onde crescer. E, com a interprete ganhando o prêmio musical mais aclamado de todos, ela teria que, pela primeira vez, enfrentar uma quantidade considerável de críticas de pessoas que não concordavam com o nível absurdo de aclame e prestígio ao qual ela chegou.

Em outras palavras: a imprensa e uma parcela do público iriam começar a se virar contra ela. E, claro, não deu outra.


O New York Times, o jornal mais importante dos EUA, que sempre elogiou a cantora, publicou pela primeira vez um artigo com um tom mais crítico.

Numa matéria intitulada Para Taylor Swift, Grande Vitória no Grammy Significa Inocência Perdida, o jornalista Jon Carmanica criticou a performance da interprete na premiação (repetindo o que eu disse no post abaixo: a música Today Was a Fairytale é fraca e mais parece uma paródia das outras canções de Swift e a voz dela é limitadissima e não combinava nem um pouco com a de Stevie Nicks) e também seu hábito de mostrar enorme choque e surpresa toda vez que ela é anunciada como ganhadora de algo (querida, a essa altura, você já tem quase 50 prêmios, você leva mais de 60% dos prêmios ao qual você é indicada para casa).

No geral, o artigo não foi negativo em relação a ela, chamando-a de "a popstar revelação mais importante dos últimos anos" (na minha opinião, esse posto pertence a Gaga), observando que ela é "extremamente talentosa" e elogiando seu dom como compositora. Mesmo assim, a matéria mostra uma importante mudança de tom.

No site do mesmo New York Times, um pequeno artigo contendo uma foto dela tentando equilibrar seus quatro Grammys nos braços e deixando um deles cair no chão foi intitulado "Como Taylor Swift reage quando ela está genuinamente chocada". David Ritzkoff, responsável pelo post, foi curto e grosso, rotulando-a de falsa.

As caras de choque de Taylor também renderam matérias divertidas na revista New York e no influente site Jezebel.

O USA Today, jornal mais lido do país, noticiou que o plano dos empresários da cantora é mantê-la longe dos holofotes nos próximos meses e assim evitar que ela sofra com a super-exposição. O texto também inclui citações de pessoas influentes no mundo da música que não a poupam de duras críticas: "Agora todo mundo descobriu que ela não sabe cantar", disse Bob Lefsetz. "Eles tem que dar um jeito de fazer essa garota cantar direito na TV" comentou Alan Light, ex-editor da revista Spin.

Light opina que "ela deu sorte em não levar todos os Grammys ao qual foi indicada. O backlash da mídia seria considerável se esse fosse o caso" (provavelmente, mas ganhar o principal prêmio tem um peso gigantesco também).

Não existe a menor duvida que o próximo single da cantora, que será lançado no fim do verão no hemisfério norte, e seu terceiro CD, programado para o final do ano, serão gigantescos sucessos. Porém, a vitória de Taylor Swift na premiação musical mais importante de todas veio com um preço: ela não é mais intocável.

Em tempo, a audiência dos Grammys (25.8 milhões de telespectadores) não só foi a mais alta dos últimos anos como também superou os números de outras premiações como os Globos de Ouro (17 milhões) e os Emmys (13 milhoes);

Ah, e esse post do Jezebel mostra o quão pouco crível os Grammys são: Diana Ross, Queen, Lynyrd Skynrd, Tupac e The Who nunca saíram vitoriosos. O primeiro prêmio de Bob Marley, um Lifetime Achievment Awards, foi em 2001, 20 anos após sua morte. David Bowie só foi premiado uma vez (e foi um prêmio completamente insignificante: melhor vídeo). Quando, em 1968, os Beatles ganharam Álbum do Ano por Sgt. Pepper's Lonely Heart Club, foi a primeira vez que um ato rock levou o reconhecimento para casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu